Valorizando a leitura epistemológica na pesquisa em educação

Autores

  • Susy Cristina Rodrigues Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v16i1.1328

Palavras-chave:

Epistemologia. Pesquisa. Educação

Resumo

Demonstramos neste trabalho a importância dos estudos sobre a epistemologia para problematização, desconstrução de preconceitos e contribuição na elaboração qualificada na produção de conhecimento científico. É apresentada a leitura epistemológica de uma pesquisa concluída com o título: “A adolescência inventada e os sujeitos que se inventam na participação social: capturas e rupturas” (CAMPOS, 2008), com base teórica  em  Silvio Sánchez Gamboa (2012, 2013). Ao final desta leitura, após identificar a matriz paradigmática entre a construção da pergunta e da resposta na referida pesquisa, propõe-se o pensamento sobre os limites, erros, acertos e escolhas na pesquisa, a partir do valor da epistemologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susy Cristina Rodrigues, Universidade Estadual de Campinas

Susy Cristina Rodrigues é Mestranda em Educação pela  UNICAMP, bolsista CAPES e pesquisadora do VIOLAR – Laboratório de Estudos sobre Violência, Imaginário e Juventude. Possui Bacharelado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2010).  Tem experiência na área da Assistência Social, com ênfase em violência intrafamiliar e urbana contra a criança e o adolescente, estudo social e serviços de acolhimento familiar para crianças e adolescentes.

Referências

ALVES-MAZZOTTI; Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais. São Paulo, SP: Pioneira, 1998. 203 p.

CAMPOS, Maria Teresa de Arruda. A adolescência inventada e os sujeitos que se inventam na participação social: capturas e rupturas. 2008. 187 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas SP, 2008.

CORTELLA, Mario Sergio. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 4. ed. 2001; São Paulo, SP: Cortez; Instituto Paulo Freire, 166 p. (Coleção Prospectiva, 5);

DELEUZE, Gilles; PARNET; Claire. Diálogos. Tradução Eloisa A. Ribeiro. São Paulo, SP: Editora Escuta, 1998. 184 p.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Petrópolis, RJ: Vozes, 1971. 256 p.

GALLO, Silvio. Em torno de uma educação menor. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.1, n.1, p. 169-178, fev.1976.

GRANGER, Gilles-Gaston. A ciência e as ciências. Tradução Roberto Leal Ferreira. São Paulo (SP): Editora da Universidade Estadual Paulista, 1994. 122 p.

MEAD, Margaret. Adolescencia y cultura en Samoa. Barcelona: Paidós, 1971. Apud CAMPOS, Maria Teresa de Arruda. A adolescência inventada e os sujeitos que se inventam na participação social: capturas e rupturas. 2008. 187 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008.

ROMANO, Roberto. A crise dos paradigmas e a emergência de reflexão ética, hoje. In: Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 19, n. 65, p. 65-100, dez.1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301998000400003&lng=en&nrm=iso. ISSN 0101-7330. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73301998000400003. Acesso em 22 de jan. 2014.

SÁNCHEZ GAMBOA, Silvio . Pesquisa em educação: métodos e epistemologias. 2. ed. Chapecó: Argos, 2012. 212 p.

SÁNCHEZ GAMBOA, Silvio. Projetos de pesquisa, fundamentos lógicos: a dialética entre perguntas e respostas. Chapecó: Argos, 2013.159 p.

VOLPATO, Gilson. Pérolas da redação científica. São Paulo, SP: Cultura Acadêmica Editora. 2010. 188 p.

TIBA, Içami. Puberdade e “adolescência”: desenvolvimento biopsicossocial. São Paulo, SP: Agora, 1986. 231 p.

Downloads

Publicado

2014-04-25

Como Citar

Rodrigues, S. C. (2014). Valorizando a leitura epistemológica na pesquisa em educação. ETD - Educação Temática Digital, 16(1), 36–47. https://doi.org/10.20396/etd.v16i1.1328