Produzir-se negro no Brasil: estudo dos dispositivos didático-pedagógicos na revista Raça Brasil

Autores

  • Artur José Renda Vitorino Pontifícia Universidade Católica de Campinas
  • Paula Bernadete Montanari Pontifícia Universidade Católica de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v16i1.1334

Palavras-chave:

Educação. Identidade. Raça.

Resumo

A partir dos ensinamentos de Michel Foucault quanto ao autogoverno, foi realizada uma análise da revista de circulação nacional intitulada “Raça Brasil”, cujo público-alvo é o negro brasileiro, com vistas a mostrar os dispositivos didático-pedagógicos presentes no periódico. Para avaliar tal discurso, foi analisado um conjunto de quinze revistas que abarcaram o período de janeiro de 2000 a maio de 2001. Deste, foi destacada uma edição para investigação, para a qual se partiu de conceitos foucaultianos, confrontando os resultados com a bibliografia levantada. A investigação indicou que a revista Raça Brasil, a partir dos dispositivos pontuados ao longo do texto, enseja modelar a identidade negra brasileira, a qual tem por comum entre seus integrantes a cultura e a memória denominadas afro-brasileiras, propondo assim, na sociedade, uma taxionomia entre negros e brancos. Em suma, foi feito um esforço de análise do discurso e dos anúncios publicitários presentes no número destacado, pretendendo entender o que a revista concebe por “negro brasileiro” e quais as características, propostas em seu discurso, a respeito de uma identidade negra brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artur José Renda Vitorino, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Campinas (1987), mestrado em História pela Universidade Estadual de Campinas (1995) e doutorado em História pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Atualmente é professor do Programa de Pós Graduação em Educação e da Faculdade de História da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Tem experiência na área de História e da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: História Regional, História Social do Trabalho, Ensino de História da África e da cultura afrobrasileira e Fundamentos da Educação

 

Paula Bernadete Montanari, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Graduada em História pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2013) .

Referências

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática" História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, Ano CLX, n. 8, seção 1, p. 1, 10 de janeiro de 2003.

CATANI, Denice. Bárbara. Ensaios sobre a produção e circulação de saberes pedagógicos. 1994. 166f. Tese (Livre docência) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

CORDEIRO, Jaime Francisco Parreira. Pedagogias multiplicadas: como as revistas masculinas e femininas produzem sujeitos. In: VAIDERGORN, José; BERTONI, Luci Mara (Org.). Indústria cultural e educação: ensaios, pesquisas, formação. Araraquara: JM Editora, 2003, p. 31-59.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini-dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3.ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. Petrópolis, RJ: Vozes ; Lisboa: Centro do Livro Brasileiro, 1972.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Ligia M.. Pondé Vassalo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1983.

FOUCAULT, Michel. A microfísica do poder. 25.ed. Rio de Janeiro: Graal Editora, 2008.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade e saber. 4.ed. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1982.

FRY, Peter. Política: relações entre "raça", publicidade e produção da beleza no Brasil, in: FRY, Peter A persistência da raça. Ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África austral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 249-271.

GILLIAM, Angela; GILLIAM, Onik’a. Raça Brasil: por quem, para quem. Cadernos Pagu, Campinas, n. 6, p.307-310, 1996.

GILROY, Paul. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Editora 34, 2002.

KOFES, Suely. Gênero e raça em revista: debate com os editores da revista Raça Brasil. Cadernos Pagu, Campinas, n.6, p.241-296, 1996.

LINEBAUGH, Peter. Todas as montanhas atlânticas estremeceram”. Revista Brasileira de História, São Paulo, ano 3, n. 6, p.7-46, set. 1983.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Prefácio de Néstor García Canclini; Tradução de Ronald Polito e Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. 1997.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem (sugestão raciais no Brasil). Revista Tempo Social, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 281-308, 2007.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 41, ano 2000

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 42, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 44, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 46, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 47, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 48, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 49, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 50, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 51, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 52, ano 2000.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 53, ano 2001.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 54, ano 2001.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 55, ano 2001.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 56, ano 2001.

RAÇA BRASIL, São Paulo: Editora Símbolo, n. 57, ano 2001.

ROSE, Nikolas. Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Liberdades reguladas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1988, p. 30-45.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SODRÉ, Muniz. Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil (identidade brasileira). Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

Downloads

Publicado

2014-03-06

Como Citar

Vitorino, A. J. R., & Montanari, P. B. (2014). Produzir-se negro no Brasil: estudo dos dispositivos didático-pedagógicos na revista Raça Brasil. ETD - Educação Temática Digital, 16(1), 134–153. https://doi.org/10.20396/etd.v16i1.1334