Identidades, sujeitos e línguas indígenas: “entre o corte do excesso e o semear da falta”

Autores

  • Adria Simone Duarte de Souza Universidade Federal do Amazonas
  • Carlos Guillermo Rojas Nino Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v9i2.818

Palavras-chave:

Educação. Educação escolar indígena. Políticas lingüísticas.

Resumo

Propõe uma discussão sobre a noção de língua nacional definida através do pressuposto da unidade lingüística e sustentada por afirmações do tipo “a língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil”. Esta afirmação começa a ser reestruturada pelo reconhecimento oficial da diversidade lingüística brasileira e das dificuldades no trato com estas questões, tanto em nível acadêmico quanto nos demais níveis de poder. Levantam-se alguns questionamentos acerca das políticas lingüísticas articuladas junto à política de Educação Escolar Indígena no Brasil e especificamente na Amazônia. De um lado estão os povos indígenas que, por motivos históricos alheios a sua vontade, não falam uma língua que se possa denominar como propriamente indígena. De outro lado, discute-se como se organizam as práticas de escolarização em comunidades indígenas de fronteira que falam não somente uma, mas até cinco línguas, incluindo as indígenas e as línguas dos países limítrofes. O que fazer, então, se todas estas realidades estão sujeitas ao “modismo reducionista” imposto pela legislação da educação escolar indígena bilíngüe? 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adria Simone Duarte de Souza, Universidade Federal do Amazonas

Graduada em Pedagogia e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Amazonas. Docente da Faculdade Salesiana Dom Bosco e Chefe do Núcleo de Educação Escolar Indígena da Secretaria Municipal de Educação - SEMED/AM.

Carlos Guillermo Rojas Nino, Universidade Federal do Amazonas

Mestre e Doutor em História e Filosofia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Docente da Graduação e do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Amazonas

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 18.ed. São Paulo, Saraiva, 1988.

BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional: nova LDB (Lei no 9.394/96), Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., 1997.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. MEC/SEF/CGAEI. Brasília,1998.

HONÓRIO, M. A. Espaço enunciativo e educação escolar indígena: saberes, políticas, línguas e identidades. 2000. Tese (Doutorado em Lingüística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

HONÓRIO, M. A. Escolas indígenas: na poética do cotidiano. Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Amazonas, Manaus, ano 4-5, n. 1-2, p.1-14, 1999.

MAHER, Tereza Machado. O Ensino de Língua Portuguesa nas Escolas Indígenas. Em Aberto, Brasília: v. 14, n. 63, p.69-77, jul./set., 1994.

NOVAES, S. C. Jogos de espelhos: imagens da representação de si através dos outros. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.

SANTOS, F. J. Além da conquista: guerras e rebeliões indígenas na Amazônia pombalina. 2.ed. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas, 2002.

SILVA, Rosa Helena Dias; BONIN, Iara Tatiana. Pedagogia e escola indígena, escola e pedagogia indígena. Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Amazonas, Manaus/AM, v. 2, n. 2/1, p. 133-150, 2002.

SOUZA, Adria Simone Duarte de. Identidade, Educação Escolar Indígena e Bilingüismo na Aldeia Munduruku. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2004.

Downloads

Publicado

2008-11-11

Como Citar

SOUZA, A. S. D. de; NINO, C. G. R. Identidades, sujeitos e línguas indígenas: “entre o corte do excesso e o semear da falta”. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 80-92, 2008. DOI: 10.20396/etd.v9i2.818. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/818. Acesso em: 31 out. 2020.