Gênero na educação básica brasileira

a inconstitucionalidade de projetos proibitivos

Palavras-chave: Relações de gênero, Educação básica, Educação democrática, Movimentos sociais, Direito à educação.

Resumo

O texto analisa projetos de lei pretensamente proibitivos quanto ao diálogo sobre relações de gênero na escola, os quais colocam em disputa modelos de sociedade, via políticas públicas e práticas educacionais, no que se refere à autonomia e igualdade de direitos.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Auad, Universidade Federal de Juiz de Fora

Pós-Doutorado em Educação - Universidade Estadual de Campinas.  Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Professor Titular da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Janaína Guimarães da Fonseca e Silva, Universidade de Pernambuco

Doutora em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora adjunta da Universidade de Pernambuco.

Camila dos Passos Roseno, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) - Juiz de Fora, MG - Brasil

Mestra em Educação  - Universidade de Pernambuco (UPE) - Petrolina, PE - Brasil. Doutoranda em Educação  -  Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) - Juiz de Fora, MG - Brasil

Referências

ANNUNCIATO, Pedro. 8 autores para estudar e passar nos concursos públicos. Nova Escola, Conteúdos. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/15060/8-autores-para-estudar-e-passar-nos-concursos-publicos . Acesso em: 14 fev. 2019.

AUAD, Daniela. Educar meninas e meninos: relações de gênero na escola. São Paulo: Contexto, 2006.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BELONI, Cris. Ideologia de gênero pode tornar pedofilia “normal”, alerta educadora. Gospel Prime, Sociedade. Disponível em: https://www.gospelprime.com.br/ideologia-de-genero-pedofilia-normal . Acesso em: 22 jan. 2019.

BENEVIDES, Maria Victoria. Fé na luta: a Comissão Justiça e Paz de São Paulo, da ditadura à democratização. São Paulo: Lettera.doc, 2009.

CABRAL, Pedro. Entrevista com Miguel Nagib, fundador e coordenador do Escola Sem Partido. Olhar Atual, 2017. Disponível em: http://olharatual.com.br/entrevista-com-miguel-nagib-fundador-e-coordenador-escola-sem-partido/ . Acesso em: 20 jun. de 2017.

COMISSÃO Especial destinada a proferir parecer ao projeto de lei nº 7.180 DE 2014, do sr. Erivelton Santana, que “altera o art. 3º da lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996". Parecer do Relator. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2174255. Acesso em: 10 ago. 2018.

CORREA, Sônia. A “política do gênero”: um comentário genealógico. Cadernos Pagu, Unicamp, 2018.

COSTA, Ana A.; SARDENBERG, Cecília M. B. Teoria e práxis feministas na academia. Os núcleos de estudos sobre a mulher nas universidades brasileiras. Revista Feminismos, v. 2, n. 2, p. 31-39, maio/ago. 2014. Disponível em: www.feminismos.neim.ufba.br/index.php/revista/article/viewFile/140/113 . Acesso em: 10 jul. 2016.

EDUCAÇÃO, Ação. A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, v. 5, p. 07-41, 1995. Disponível em: www.clam.org.br/bibliotecadigital/uploads/publicacoes/1065_926_hARAWAY.pdf. Acesso em: 12 jun. 2016.

JONES, Ken. A virada à direita: a revolução conservadora na educação. Londres, 1989. In: BROOKE, Nigel. Marcos históricos na reforma da educação. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2012, p. 276-285.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petropólis, RJ: Vozes, 2014.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero” - Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 15, p. 590-621, 2016.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. Nota técnica 01/2016. Brasília, 2016. Disponível em: http://pfdc.pgr.mpf.mp.br/temas-de-atuacao/educacao/saiba-mais/proposicoes-legislativas/nota-tecnica-01-2016-pfdc-mpf . Acesso em: 21 abr. 2018.

MOUFFE, Chantal. Sobre o político. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.

ROSENO, Camila dos P. Escola Sem Partido: um ataque às políticas educacionais em gênero e diversidade sexual no Brasil. 2017. Dissertação (Mestrado em Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares) - Universidade de Pernambuco, Petrolina, 2017.

ROSENO, Camila dos P.; SILVA, Janaina Guimarães da Fonseca. Políticas públicas educacionais em gênero e diversidade sexual: atos de resistência diante do avanço do conservadorismo do movimento “Escola Sem Partido”. Itinerarius Reflectionis, v. 13, n. 2, p. 01-21, ago. 2017. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/47804 . Acesso em: 30 ago. 2018.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SCOTT, Joan. Os usos e abusos do gênero. Projeto História, São Paulo, n. 45, p. 327-351, dez. 2012. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/15018 . Acesso em: 02 jul. 2016.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Medida cautelar na ação direta da inconstitucionalidade 5537 Alagoas. Brasília: STF, 2017. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4991079 . Acesso em: 21 abr. 2018.

UNBEHAUM, Sandra. As questões de gênero na formação inicial de docentes: tensões no campo da educação. 2014. Tese (Doutorado em Educação: Currículo) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014.

Publicado
2019-07-10
Como Citar
Auad, D., Silva, J. G. da F. e, & Roseno, C. dos P. (2019). Gênero na educação básica brasileira. ETD - Educação Temática Digital, 21(3), 568-586. https://doi.org/10.20396/etd.v21i3.8654669