As novas tecnologias de informação e comunicação no contexto educacional das políticas públicas

possibilidades de luta e resistência

Palavras-chave: Políticas públicas de educação, Tecnologias digitais de informação e comunicação, Resistência.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo compreender como o uso das novas tecnologias de informação e comunicação, na Educação Básica e sobretudo no Ensino Superior, pode se constituir como ferramenta de combate e resistência ao cenário atual de retrocessos e ataques ao sistema educacional público brasileiro. Para tanto, apresentamos uma discussão teórica sobre o uso das tecnologias na educação como forma de resistência. Com base na atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação 9394/96 e no Plano Nacional de Educação (2014) apresentamos os conceitos de educação, novas tecnologias e formação docente como palco de lutas e negociações para a aprovação de determinadas políticas. Explicitaremos algumas delas, tais como as políticas atuais voltadas à formação docente, assim como as mudanças ocorridas no Ensino Superior, em especial, uma reflexão da portaria 1.428/18 que permite que até 40% das disciplinas, dos cursos presenciais, possam ser ofertadas na modalidade de Educação a Distância. Diante desse novo cenário que se consolida por meio das tecnologias nos indagamos, ainda, como as chamadas fakes newsemergem em uma sociedade que não consegue ser crítica frente à avalanche de informação que circula em nível mundial. Torna-se possível entender que elas representam a falta de uma educação e conscientização voltada para a sociedade da informação e do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiane Freire França, Universidade Estadual do Paraná

Doutora em Educação - Universidade Estadual de Maringá. Professora adjunta - Universidade Estadual de Maringá - Campus de Campo Mourão, Maringá, PR - Brasil.

Maria Luisa Furlan Costa, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Araraquara). Professora associada - Universidade Estadual de Maringá - Maringá, PR - Brasil.

Renata Oliveira dos Santos, Centro Universitário Cidade Verde

Mestre em Ciências Sociais - Universidade Estadual de Maringá. Doutoranda em educação - Universidade Estadual de Maringá. Professora - Centro Universitário Cidade Verde. 

Referências

BRANCO, Sérgio. Fake news e os caminhos para fora da bolha. Revista Interesse Nacional. Ano 10, n. 38, 2017. Disponível em: https://itsrio.org/wp-content/uploads/2017/08/sergio-fakenews.pdf. Acesso em: 13 jan. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996 Brasília, DF: 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm . Acesso em: 16 nov. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional da Educação. Parecer nº 9 de 08 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, graduação plena. Brasília, DF: CNE, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 2/2015.Diário Oficial da União. Brasília, DF, seção 1, p. 13, 25 jun. 2015. Disponível em: http://www.pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/parecer_cne_cp_2_2015_aprovado_9_junho_2015.pdf . Acesso em: 16 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 2.253/2001. Diário Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, p. 18-19, 19 out. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 4.059/2004. Diário Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, p. 34, 10 dez. 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/nova/acs_portaria4059.pdf . Acesso em 16 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1.134/2016. Brasília, DF: MEC, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1.428/2018. Ministério da Educação. Portaria Nº 1.428, de 28 de dezembro de 2018. Revoga a Portaria MEC nº 1.134, de 10 de outubro de 2016, e estabelece nova redação para o tema. Diário Oficial da União. Brasília, DF: MEC, 31 dez. 2018

BRASIL. Presidência da República/Casa Civil/Subchefia para Assuntos Jurídicos. Plano Nacional da Educação. Brasília, DF: PNE, 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1/2002. Diário Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, p. 8, 4 mar. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf . Acesso em: 16 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação Resolução CNE/CP nº1/2002. Diário Oficial da União, Brasília DF, seção 1, p. 8, 4 mar. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf. Acesso em: 16 nov. 2018.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, DF: 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 04 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015. Brasília, DF, Diário Oficial da União. Seção 1, p. 8-12, 2 jul. 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192 . Acesso em: 16 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 11 jan. 2019.

BURCH, Sally. Sociedade da informação e sociedade do conhecimento. In: AMBROSI, Alain; PEUGEOT, Valérie; PIMIENTA, Daniel (Coord.). Desafios de palavras: enfoques multiculturais sobre as sociedades da informação. Caen: C & F, 2005.

CIOCCARI, Deysi. PERSICHETTI Simonetta. A política e o espetáculo em Jair Bolsonaro, João Doria e Nelson Marchezan. Revista Imagofagia, Argentina, 2018, 54-84. Disponível em: http://www.asaeca.org/imagofagia/index.php/imagofagia/article/view/1621. Acesso em: 16 jan. 2019.

CRUZ JUNIOR, Gilson. Pós-verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake news. ETD - Educação Temática Digital, v.21, n.1, p.278-284, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8652833 . Acesso em: 11 fev. 2019.

D'ANCONA, Matthew. Pós-verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake news. Barueri: Faro, 2018.

DOURADO, Luiz Fernandes. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educ. Soc. [online], 2015, v. 36, n. 131, p. 299-324, 2015. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v36n131/1678-4626-es-36-131-00299.pdf. Acesso em: 16 jan. 2019.

FRANÇA, Fabiane Freire; COSTA, Maria Luisa Furlan. As novas tecnologias de informação e comunicação nos cursos de licenciatura: aspectos conceituais, políticos e legais. In: COSTA, Maria Luisa Furlan, SANTOS, Annie Rose dos (Org.) Educação e novas tecnologias: questões teóricas, políticas e práticas. Maringá: Eduem, 2017. p. 107-125.

HEINSFELD, Bruna Damiana; SILVA, Paula Rossi Nascentes da. As versões da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o papel das tecnologias digitais: conhecimento da técnica versus compreensão dos sentidos. In: Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 2, p. 668-690, 2018. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol18iss2articles/heinsfeld-silva.pdf. Acesso em: 11 jun. 2019.

KENSKI, Vani Moreira. Em direção a uma ação docente mediada pelas tecnologias digitais. In: BARRETO, Raquel Goulart. Tecnologias educacionais e educação a distância: avaliando políticas e práticas. Rio de Janeiro: Quartet, 2001.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e novas tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

MACEDO, Elisabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentido para a educação. In: Revista e Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p.1530 1555 out./dez. 2014. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum. Acesso em: 13 nov. 2018.

MORAES, Dirce Aparecida Foletto de; GOMES, Joyce; GOUVEIA, Sergio. As tecnologias digitais na formação inicial do pedagogo. Revista Linhas, Florianópolis, SC, v. 16, n. 30, p. 214–234, jan./abr. 2015. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723816302015214. Acesso em: 13 nov. 2018.

MOTA, Ronaldo. Contribuições à reforma do ensino médio. [s. l.]: 2016. Disponível em: http://reitoronline.ig.com.br/index.php/2016/11/05/contribuicoes-preliminares-a-reforma-do-ensino-medio/. Acesso em: 13 nov. 2018.

OROFINO, Maria Isabel. Mídias e medição escolar: pedagogia dos meios, participação e visibilidade. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2005. (Guia da escola cidadã; v.12.). 72 p.

REZENDE, Denis Alcides; ABREU, Aline França de. Tecnologia da informação aplicada a sistemas de informação empresariais. São Paulo: Atlas. 2001.

SCHEIBE, Leda. Valorização e formação dos professores para a educação básica: questões desafiadoras para um novo plano nacional de educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 981-1000, jul./set. 2010.

Publicado
2019-07-10
Como Citar
França, F. F., Costa, M. L. F., & Santos, R. O. dos. (2019). As novas tecnologias de informação e comunicação no contexto educacional das políticas públicas. ETD - Educação Temática Digital, 21(3), 645-661. https://doi.org/10.20396/etd.v21i3.8654687