Educação infantil e a práxis psicanalítica

o risco da predição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i1.8656399

Palavras-chave:

Educação infantil, Psicanálise, Políticas públicas, Educação

Resumo

O presente artigo debate as políticas públicas em Educação Infantil tomando por operador de leitura a proposição dos discursos formulada por Lacan. Segundo esta teoria, cada discurso agencia uma política que lhe é própria, seguindo uma lógica que lhe é imposta estruturalmente. A isto se deu o nome de agenciamento discursivo, ou seja, uma dinâmica estrutural que antecede determinado dizer e que imprime uma direção inexorável ao mesmo. Os quatro discursos propostos pelo autor são: o da histérica, o do mestre, o do universitário e o do analista. A eles veio somar-se, posteriormente, o discurso do capitalista que guarda pontos de distinção com os quatro primeiros. Foram analisados os discursos presentes na educação infantil na atualidade de modo a demonstrar a preponderância da predição como lógica presente no âmbito das políticas públicas com efeitos na práxis educativa.  Por fim, problematiza-se a participação da teoria psicanalítica como mais uma que dá subsídios à educação infantil e as consequências desta apropriação para a práxis do psicanalista que atua no campo educativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Fontana Fonseca, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Docente do curso de pós-graduação em Educação, Subjetividade e Psicanálise pela Universidade Ibirapuera (UNIB). Psicóloga do Serviço de Psicologia Escolar do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP). 

Rinaldo Voltolini, Universidade de São Paulo

Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo. Pós-doutoramento em Psicopatologia e Psicogênese pela Universidade Paris XIII (2006-2007). Professor doutor da Faculdade de Educação pela Universidade de São Paulo.

Referências

ALMEIDA, Sandra Francesca Conte de. O papel da escola na educação e prevenção em saúde mental. Estilos clin., São Paulo, v. 3, n. 4, p. 112-119, 1998 . Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71281998000100015&lng=pt&nrm=iso . Acesso em: 5 jun. 2019.

BRADBURY, Ray. Fahrenheit 451. São Paulo: Biblioteca Azul, 2003.

BRASIL. Educação Infantil: subsídios para construção de uma sistemática de avaliação. Brasília: MEC, 2012.

BRASIL. Leinº13.438, de 26 de abril de 2017. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 1 de abril de 2017. Seção1. 2017. Disponível em: https://bit.ly/2HCcMTX Acesso em 5 jun.2019.

FIORAVANTI-BASTOS, Ana Carolina; FILGUEIRAS, Alberto; MOURA, Maria Lúcia. Avaliação do Ages and Stages Questionnaire-Brasil por profissionais da Educação Infantil. Estudos de Psicologia, Campinas, p. 293-301, 2016.

FONSECA, Paula Fontana. O higienismo moderno e a práxis do psicanalista na polis. Estilos Da Clínica, v.23, v.1, p.34-46, 2018. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v23i1p34-46.

FREITAS, Luiz Carlos. Responsabilização, meritocracia e privatização: conseguiremos escapar ao neo-tecnicismo? In: PINO, Ivany; ZAN, Dirce. (Org.). Plano Nacional da Educação (PNE): questões desafiadoras e embates emblemáticos. Brasília: INEP, 2013.

KUPFER, Maria. Cristina. Machado.; BERNARDINO, Leda. Maria.; MARIOTTO, Rosa. Maria. Marini. De bebê a sujeito: a metodologia IRDI nas creches. São Paulo: Escuta/ FAPESP, 2014.

KUPFER, Maria. Cristina. Machado; BERNARDINO, Leda. Maria. IRDI. Estilos Da Clínica, v.23, n.1, p.62-82, 2018. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/estic/article/view/145065/147078 Acesso em 5 de jun de 2019.

KUHLMANN JR., Moisés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LACAN, Jacques. Du discours psychanalytique. (1972) Itália, Milão, La Salamandra, 1978. Disponível em: http://www.valas.fr/IMG/pdf/IIIIIin_Italia_chap-3.pdf . Acesso em: fev. 2019.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise (1969-70). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LAJONQUIÈRE, Leandro. A infância e ilusão (psico)pedagógica: escritos de psicanálise e educação. (1999) 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MARIOTTO, Rosa Maria Marini. Cuidar, educar e prevenir: as funções da creche na subjetivação de bebês. São Paulo: Escuta, 2009.

MOTTA, Sônia. Prevenção em saúde mental – por que não? In: BERNARDINO, Leda; ROHENKOHL, Cláudia (Org.). O bebê e a modernidade: abordagens teórico-clínicas. São Paulo: Casa do psicólogo, p. 109-116, 2002.

PATTO, Maria Helena Souza. A produção do fracasso escolar. Histórias de submissão e rebeldia (1988). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015.

QUINET, Antônio. Psicose e laço social. Rio de Janeiro: Jorge ZAHAR, 2006.

RIO DE JANEIRO. Manual de uso do ASQ-3: guia rápido para aplicação do ASQ-3. RJ: IETS, 2010. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/1132535/DLFE-205901.pdf/1.0 . Acesso em: 3 mar. 2019.

ROSEMBERG, Fúlvia. Políticas de educação infantil e avaliação. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 148, p. 44-75, 2013.

SOLER, Colette. Psychanalystes, encore un effort. Revue de Psychanalyse, Ecole de psychanalyse des fóruns du champ lacanien. Psychanalyse et politique/s, n. 2, Paris, 2005.

VOLTOLINI, Rinaldo. A psicanálise na sociedade de ímpares. In: VOLTOLINI, Rinaldo. Crianças públicas, adultos privados. São Paulo: Escuta/FAPESP, 2016.

VOLTOLINI, Rinaldo. Educação como “fato inconveniente” para a psicanálise. In: Psicanálise, Educação E Transmissão, n. 6, 2006, São Paulo. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032006000100006&lng=en&nrm=abn . Acesso em: 23 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

FONSECA, P. F.; VOLTOLINI, R. . Educação infantil e a práxis psicanalítica: o risco da predição . ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 177–191, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i1.8656399. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8656399. Acesso em: 28 out. 2021.