Uma tessitura sobre as relações temporais e espaciais em práticas culturais (escolares) que reverberam efeitos no currículo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i1.8657043

Palavras-chave:

Etnomatemática, Terapia-gramatical, Contraconduta, Educação matemática

Resumo

Esse texto, uma parte de um trabalho de tese em andamento, pretende mover uma rede de sentidos em torno de temporalidades e espacialidades em práticas culturais (escolares) e suas possíveis reverberações no currículo. Para tecer essa rede, a trama investigativa acontece a partir da terapia-gramatical, entendida como problematização indisciplinar (MIGUEL, 2015), que visa rastrear diferentes práticas culturais envolvendo tempo e espaço presente nas formas de vida e, de modo específico, na forma de vida escolar. A problematização se insere nos nossos usos cotidianos de fazer escola na escola e, consequentemente, na educação matemática escolar. Nesse sentido, a mola propulsora da discussão se aproxima da Etnomatemática, na perspectiva da contraconduta, como sendo um agente disparador de modos de condução que estão presentes nas relações temporais e espaciais nos diferentes campos de atividade humana. Trata-se de percorrer diferentes usos das noções de tempo e espaço a partir de atravessamentos filosóficos que podem desconstruir a universalidade dessas noções em nossas práticas. Para tanto, recorremos aos pensamentos dos filósofos Wittgenstein, das Investigações Filosóficas, com a perspectiva da terapia-gramatical e de Foucault com as problematizações sobre o tempo de vida dos homens e os modos de produção de subjetividade. São ferramentas que permitem fazer proliferar a multiplicidade e recusar qualquer relação dicotômica, dogmática e metafísica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juciara Guimarães Carvalho, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Educação pela  Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Doutorado-sanduíche pela Université Paris 8 Vincennes-Saint-Denis - CAPES/COFECUB. Mestre em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Jackeline Rodrigues Mendes, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Lingüística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas.  Professor doutor da  Faculdade de Educação pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ARTIÈRES, Philippe. Dizer a atualidade - o trabalho de diagnóstico em Michel Foucault. In: GROS, Frédéric (Org.). Foucault: a coragem da verdade. São Paulo: Parábola. p.15-37, 2004.

BELLO, Samuel Edmundo Lopez. Jogos de linguagem, práticas discursivas e produção de verdade: contribuições para a educação (matemática) contemporânea. Revista ZETETIKÉ, v.18, p. 545-588, 2010.

BELLO, Samuel Edmundo Lopez; LONGO, Fernanda. Etnomatemática: uma analítica discursiva dos seus enunciados. ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA – ENEM, 10., Salvador, 2010. Anais do...Salvador, 2010. p. 1-11.

CARVALHO, Juciara Guimarães. “O mar está pra peixe”: tempo e espaço em jogos de linguagem matemáticos de pescadores artesanais. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis: UFSC, 2016.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Ditos e Escritos II. Rio de Janeiro: Florense, 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 2007.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. Conferência 5. A verdade e as formas jurídicas. Tradução Eduardo Jardim e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Nau, p. 103-123, 2013.

FOUCAULT, Michel. A sociedade punitiva: curso no Collège de France (1972-1973). Trad. Ivone Benedetti. São Paulo: Editora WMF; Martins Fontes, 2015.

GILLOT, Pascale; LORENZINI, Daniele (orgs). Foucault/Wittgenstein: subjectivité, politique, éthique. Paris, France: CNRS Éditions, 2016.

GROS, Frédéric. A parrhesia em Foucault (1982-1984). In: GROS, Frédéric (Org.). Foucault: a coragem da verdade. São Paulo: Parábola Editorial, p.155-166, 2004.

GROS, Frédéric ; DAVIDSON, Arnold. (Org.) Foucault, Wittgenstein: de possibles rencontres. Paris, France: Éditions Kimé, 2011.

HOLT, Maurice. It's time to start the slow school movement. Phi Delta Kappan, v. 84, n.4, 264-271, 2002.

HOLT, Maurice. A ideia da slow school: é hora de desacelerar a educação? In: STONE, M.K.; BARLOW, Z. (Org.). Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. Tradução de Carmen Fischer. São Paulo: Cultrix, p. 87-94, 2006.

HONORÉ, Carl. Devagar. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: 2005.

KNIJNIK, Gelsa; WANDERER, Fernanda; GIONGO, Ieda Maria; DUARTE, Claudia Glavam. Etnomatemática em movimento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MIGUEL, Antonio. A terapia gramatical-desconstrucionista como atitude de pesquisa (historiográfica) em educação (matemática). Revista Perspectivas da Educação Matemática – UFMS, v.8, p. 607-647, 2015.

MIGUEL, Antonio.; VILELA, Denise Silva.; MOURA, Ana Regina Lanner de. Problematização indisciplinar de uma prática cultural numa perspectiva wittgensteiniana. Revista Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul, v.20, n.2, p.06-31, 2012.

MONTEIRO, Alexandrina; MENDES, Jackeline Rodrigues. A etnomatemática no encontro entre práticas e saberes: convergências, tensões e negociação de sentidos. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, v.7, n.3, p. 55-70, 2014.

MONTEIRO, Alexandrina; MENDES, Jackeline Rodrigues. Etnomatemática como Movimento de Contraconduta na Mobilização de Saberes em Práticas Culturais. SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA – SIPEM, 6., Pirenópolis, 2015. Anais do...Pirenópolis, GO, 2015, p.1-11.

MONTEIRO, Alexandrina; MENDES, Jackeline Rodrigues. Saberes em práticas culturais: condutas e contracondutas no campo da Matemática e da Educação Matemática. Periódico Horizontes, USF. Itatiba, p. 1-14, 2019.

REVEL, Judith. O pensamento vertical - uma ética da problematização. In: GROS, Frédéric (Org.). Foucault: a coragem da verdade. Tradução de Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, p.65-87, 2004.

SÊNECA, Lúcio Aneu. Cartas à Lucílio. Tradução de J. A. Segurado e Campos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1991.

VEIGA-NETO, Alfredo. De geometrias, currículo e diferenças. Educação & Sociedade, v.79, n.23, p.163-186, 2002.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. Tradução de Marcos G. Montagnoli. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

CARVALHO, J. G.; MENDES, J. R. Uma tessitura sobre as relações temporais e espaciais em práticas culturais (escolares) que reverberam efeitos no currículo. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 231–249, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i1.8657043. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8657043. Acesso em: 28 out. 2021.