Banner Portal
As (trans)vestes do humano
PDF

Palavras-chave

Plurlidade
Sexualidade
Biopolítica
Identidade
Diferença

Como Citar

LUZ, Rudson Adriano Rossato da; SCHWARZ, Altemir; ROSA, Geraldo Antônio da. As (trans)vestes do humano: pluralidade e assujeitamento histórico. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 24, n. 2, p. 258–274, 2022. DOI: 10.20396/etd.v24i2.8659703. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8659703. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

O idealismo moderno reconfigurou, na sociedade ocidental, uma nova perspectiva de pensar o humano: a de um sujeito virtuoso que, por meio da assimilação e da identificação, faria parte de uma sociedade civilizada e avançada. Nesse processo, cabe, dentre outras dimensões da subjetividade, refletir sobre a sexualidade, visto que, em nome da moralização, mulheres e homens devem assumir papéis sociais muito bem distintos, dentro de uma perspectiva heteronormativa. A partir da abordagem conceitual de pensamento de Michel Foucault e Judith Butler, pretende-se problematizar como a biopolítica e o biopoder disciplinam e docilizam os corpos, a fim de que sejam assujeitados de acordo com padrões da heterossexualidade compulsória e da heteronormatividade, deixando de lado a subjetividade e unicidade de cada indivíduo. Com base na pesquisa bibliográfica, foi possível considerar que os discursos do biopoder operam uma maquinaria de sujeição dos corpos e da sexualidade humana. Esta, como construção histórica, é atacada e, muitas vezes, anulada, apesar de ser uma manifestação inerentemente humana. Enfrentar tais mecanismos de sujeição, resistir e transgredir é necessário à constituição de subjetividades livres.

https://doi.org/10.20396/etd.v24i2.8659703
PDF

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e a subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Corpos que pensam: Sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Tradução: Rogério Bettoni. Autêntica, 2017.

COLLING, Leandro; NOGUEIRA, Gilmaro. Relacionados, mas diferentes: sobre os conceitos de homofobia, heterossexualidade compulsória e heteronormatividade. In: Rodrigues, Alexsandro; Dallapicula, Catarina; Ferreira, Sérgio Rodrigo da Silva (Org.). Transposições: lugares e fronteiras em sexualidade e educação. Vitória: EDUFES, 2015.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque; revisão técnica de José Augusto Guilhon Albuquerque. 5.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 3: o cuidado de si. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque; revisão técnica de José Augusto Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2009.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. 13.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

LA BOÉTIE, Étienne de. Discurso sobre a servidão voluntária. eBooksBrasil, 2006. Disponível em: http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/boetie.html Acesso em: 25/01/2020.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e Sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-posições, Campinas, v. 19, n. 2, p. 17-23, maio-agosto/2008.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da Sexualidade. In: O corpo educado: pedagogias da sexualidade In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). Tradução dos artigos: Tomaz Tadeu da Silva. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 7-34.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital

Downloads

Não há dados estatísticos.