Motivações para a escolha da habilitação profissional em um curso de licenciatura em ciências exatas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v24i2.8660121

Palavras-chave:

Pesquisa qualitativa, Fenomenologia, Formação de professores, Ciências exatas

Resumo

Neste artigo visamos conhecer as motivações que influenciaram e/ou determinaram a escolha da habilitação profissional num curso de Licenciatura em Ciências Exatas de uma Universidade Pública do Paraná. A pesquisa é qualitativa-fenomenológica, guiada pela interrogação: quais fatores influenciam a escolha da habilitação profissional num curso de Licenciatura em Ciências Exatas de uma Universidade Pública do Paraná? Os dados nos permitem inferir que a escolha da habilitação profissional é motivada por fatores individuais, institucionais e sociais, e são amparadas, majoritariamente, em aspectos relativos ao passado acadêmico dos sujeitos. A figura do professor e a sua respectiva prática pedagógica revelaram-se influenciadoras dessa escolha, sendo capaz de reforçar, pôr em dúvida ou modificar as pré-disposições do sujeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samuel Willian Schwertner Costiche, Universidade Federal do Paraná

Graduando no curso de Licenciatura em Ciências Exatas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

Paulo Wichnoski, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutorando em Educação em Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Curitiba, PR - Brasil. 

Danilene Gullich Donin Berticelli, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Curitiba, PR - Brasil. Docente pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Curitiba, PR - Brasil.

Referências

AFONSO, A. F. Licenciatura em química: os fatores que influenciam no percurso formativo dos licenciandos, do ingresso à permanência no curso. Scientia Naturalis, Rio Branco, v. 1, n. 2, p. 106-118, 2019.

AMATUZZI, M. M. Pesquisa fenomenológica em psicologia. In: BRUNS, M. A. T.; HOLANDA, A. F. (Orgs.). Psicologia e fenomenologia: reflexões e perspectivas. Campinas: Alínea, 2003, p. 16-17.

ANDRADE, C. C.; HOLANDA, A. F. Apontamentos sobre pesquisa qualitativa e pesquisa empírico-fenomenológica. Estudos de Psicologia. Campinas, v. 27, n.2, p. 259-268, abr./jun., 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2010000200013

BEGO, A. M.; FERRARI, T. B. Por que escolhi fazer um curso de Licenciatura? Perfil e motivação dos ingressantes da UNESP. Quim. Nova, São Paulo, v. 41, n. 4, p. 457-467, 2018. DOI: https://doi.org/10.21577/0100-4042.20170159

BICUDO, M. A. V. Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez, 2011.

BICUDO, M. A. V. Pesquisa qualitativa e pesquisa qualitativa segundo a abordagem fenomenológica. In: BORBA, M. C; ARAUJO, J. L. (Org.). Pesquisa qualitativa em educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, v. 1, p. 101-113, 2004.

BICUDO, M. A. V. Sobre a Fenomenologia. In: BICUDO, M. A. V., ESPÓSITO, V. H. C. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Educação. Piracicaba: Unimep, 1994, p. 15-22.

DARTIGUES, A. O que é a fenomenologia? . São Paulo: Centauro, 2003.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006, p. 15-41.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

HUSSERL, E. Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. Aparecida: Ideias e Letras, 2006.

HUSSERL, E. A filosofia como ciência de rigor. Coimbra: Atlântida, 1965.

KLUTH, V. S. A rede de significação: um pensar metodológico de pesquisa. In: BICUDO, M. A. V. Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez, 2011, p.75-98.

MARQUES, J. B. V.; FREITAS, D. Fatores de caracterização da educação não formal: uma revisão da literatura. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 1087-1110, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1517-9702201701151678

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORIN, E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2002.

SÁ, C. S. S.; SANTOS, W. L. P. Motivação para a carreira docente e construção de identidades: o papel dos pesquisadores em ensino de química. Quimica Nova, v. 39, n. 1, p. 104-111, 2016.

SANTOS, B. S.; ANTUNES, D. D. Vida adulta, processos motivacionais e diversidade. Educação, Porto Alegre, v. 61, n. 1, p. 149-164, 2007.

SANTOS, M.; TAVARES, D.; FREITAS, D. A escolha da profissão professor – Uma história envolvendo o passado. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 9., 2013, Águas de Lindóia. Anais… Águas de Lindóia, 1-8, 2013.

SCIENTIFIC ELECTRONIC LIBRARY ONLINE. Página Inicial. Disponível em: https://scielo.org/ . Acesso em: 04 de nov. de 2020.

THIENGO, L. C. A pedagogia tecnicista e a educação superior brasileira. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, n. 38, p.59-68, 2018. DOI: https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v13.n38.2612

VAN MANEN, M. Pesquisando experiência vivida. Ciência humana para uma pedagogia sensível à ação. Londres: Universidade Estadual de Nova Iorque, 1990.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Como Citar

Costiche, S. W. S. ., Wichnoski, P., & Berticelli, D. G. D. (2022). Motivações para a escolha da habilitação profissional em um curso de licenciatura em ciências exatas . ETD - Educação Temática Digital, 24(2), 432–450. https://doi.org/10.20396/etd.v24i2.8660121