A (re)existência macumbeira nos espaçostempos das redes sociais

facebook e instagram

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v24i2.8660184

Palavras-chave:

Religiões de matrizes africanas, Memes, Redes sociais

Resumo

O número de perfis, grupos e páginas dedicados aos conteúdos de religiões de matrizes africanas tem crescido em redes sociais, como o Facebook e o Instagram. É esta percepção que nos motiva a contribuir com o debate sobre que concepções são (re)construídas a respeito das religiões de matrizes africanas por meio dos memes. Seguimos os caminhos da pesquisa social de base qualitativa, alicerçando-nos teoricamente nos Estudos do Cotidiano, Culturais e Decoloniais. Construímos o corpus de pesquisa selecionando memes para pensar, a partir da potência da autodesignação macumbeiras/macumbeiros, como pensantespraticantes das redes sociais vão produzindo deslocamentos e provocando movimentos que aumentam a potência da visibilização de saberesfazeres, que se interseccionam em múltiplas possibilidades, que vão propiciando fluxos de formas e de reinvenção de um lógica hegemonicamente presente nas formas, modos de perceber e (re)conhecer culturas de matrizes africanas. Confirmamos que a opressão é escamoteada pela ideia de tolerância e pela exaltação superficial de direitos, além de ser, por vezes, naturalizada pela falta de conhecimento; no entanto, há também a produção de sentidos que legitimam e exaltam grupos não-hegemônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Caetano, Universidade Federal do Rio Grande

Doutor em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói, RJ - Brasil.  Docente na Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Rio Grande, RS - Brasil. 

Luciane Tavares dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói, RJ - Brasil. 

Nilcelio Sacramento de Sousa, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói, RJ - Brasil. 

Referências

ANADON, S; CAETANO, M.; RANGEL, M. A galinha pintadinha e o reino do galo carijó: dinâmicas androcêntricas na educação da infância. Cadernos de Educação, n. 52, p. 1-20, 2015.

ALMEIDA, W.; SANTOS, E. De memes a fake news: desafios de uma pesquisa-formação na cibercultura. Revista Educação em Foco, v. 25, n. 1, p. 130-147, jan./abr. 2020.

ALVES, N. A compreensão de políticas nas pesquisas com os cotidianos: para além dos processos de regulação. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1195-1212, out./dez. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000400008

ARAÚJO, J. X. de. Memes: a linguagem da diversão na internet. Análise dos aspectos simbólicos e sociais dos Rage Comics. Rio de Janeiro, 2012.

CAETANO, M.; SILVA JR., P. M. Rodas de homens negros: masculinidades, mulheres e religião. In: CAETANO, M.; SILVA JR., P. M. (Org.). De guri a cabra-macho - Masculinidades no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2018. p. 190-211.

CANDAU, M. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 2, p. 240-255, jul./dez. 2011.

CARDOSO JÚNIOR, L.; OLIVEIRA, K.; PORTO, C. Memes, racismo e educação, ou porque os memes da Taís Araújo importam. Periferia, v. 11, n. 2, p. 39-56, maio/ago. 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2019.33878

CASTELLS, M. de. A sociedade em rede. v. 1: A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

COSTA NETO, A. G. Ensino religioso e as religiões de matrizes africanas no Distrito Federal. Dissertação (mestrado em Educação). Brasília, Universidade de Brasília, 2010.

COUTO JÚNIOR, D.; POCAHY, F.; CARVALHO, F. Ensinar-aprender com os memes: quando as estratégias de subversão e resistência viralizam na internet. Periferia, v. 11, n. 2, p. 17-38, maio/ago. 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2019.36180

DOMINGUES, Petrônio. Guerra de Xangô: ritual, perseguição e conflito na formação do campo religioso afro-sergipano. Religião e Sociedade [online], v. 39, n. 1, p., jan.-abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/0100-85872019v39n1cap06

FONTANELLA, F. O que é um meme na Internet? Proposta para uma problemática da memesfera. In: SIMPÓSIO NACIONAL DA ABCIBER, 3., São Paulo, 2009. Anais [...]. São Paulo, 2009.

GIUMBELLI, E. Macumba surrealista: observações de Benjamin Péret em terreiros cariocas nos anos 1930. Estudos Históricos, v. 28, n. 55, p. 87-107, jan./jun. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21862015000100006

GOMES, N. L. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 1, p. 98-109, jan./abr. 2012.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SOUSA SANTOS, B.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2009.3428

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 1992.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

HOOKS, B. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019.

JUNQUEIRA, A. Os memes e sua apropriação pelo marketing digital: a experiência da rede brasileira de fastfood Giraffas. Signos do Consumo, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 19-30, jul./dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-5057.v8i2p19-30

KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MIGNOLO, W. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro, 2005.

MUNANGA, K. O anti-racismo no Brasil. In: MUNANGA, K. (Org.). Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. São Paulo: Estação Ciência, 1996.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro, 2005.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007.

OLIVEIRA, I. B. Currículos e pesquisas com os cotidianos: o caráter emancipatório dos currículos ‘pensadospraticados’ pelos ‘praticantespensantes’ dos cotidianos das escolas. In: FERRAÇO, C.; CARVALHO, J. (Org.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Petrópolis: DP et Alli, 2012, v., p. 47-70.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do sul. Portugal: Ed. Cortez, 2010.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

STEINBERG, S; KINCHELOE, J (Org.). Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

VEIGA, L. Além de preto é gay: diásporas da bixa preta. In: RESTIER, H.; SOUZA, R. (Org.). Diálogos contemporâneos sobre homens negros e masculinidades. São Paulo: Ciclo Contínuo Editorial, 2019. p. 77-94. DOI: https://doi.org/10.35499/tl.v12i1.5176

Downloads

Publicado

2022-05-23

Como Citar

Caetano, M. ., Santos, L. T. dos, & Sousa, N. S. de . (2022). A (re)existência macumbeira nos espaçostempos das redes sociais: facebook e instagram. ETD - Educação Temática Digital, 24(2), 451–471. https://doi.org/10.20396/etd.v24i2.8660184