Atividades em geociências na educação infantil baseadas em desenho universal de aprendizagem como ferramenta para o desenvolvimento da criança

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8664913

Palavras-chave:

Geociências, Base Nacional Comum Curricular, Desenvolvimento infantil, Educação infantil, Educação inclusiva

Resumo

As abordagens de Geociências na Educação Infantil são incipientes por falta de conhecimento do professor, tanto dos conteúdos em Geociências, quanto das necessidades reais de aprendizagem da criança advindas de seu próprio desenvolvimento. Este último aspecto é particular para cada criança e, portanto, distingue crianças de uma mesma faixa etária. Este artigo estimula fortemente que a elaboração de atividades em Geociências na Educação Infantil, mas assinala ser necessário: (i) considerar a fase de desenvolvimento para determinar o objetivo de aprendizagem; (ii) utilizar os conceitos em Geociências como pano de fundo; e (iii) planejar a execução de acordo com os princípios do Desenho Universal de Aprendizagem, para que todas as crianças, independentemente da fase do desenvolvimento em que se encontrem, consigam realizá-las com tranquilidade. O artigo resulta de uma disciplina denominada “Tópicos Especiais em EHCT: Ensino e História de Ciências da Terra numa perspectiva inclusiva para pessoas com deficiência”, Unicamp, SP.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Helena Martins Gonçalves, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra (PEHCT) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Licenciada em Geografia pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) e em Gestão Escolar pela Faculdade Campos Elíseos. Supervisora de ensino na Rede Municipal de Mogi das Cruzes/SP, Brasil.

Édino de Almeida Grama, Universidade Estadual de Campinas

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra (PEHCT).  Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Especialista em Metodologia do Ensino de Geografia (Uninter). Licenciatura plena em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Professor do ensino médio da Rede Particular de Ensino em São Paulo/SP, Brasil.

Ana Paula Dantas Passos, Educação Infantil ao Ensino Superior

Doutora em Fisiologia Geral pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP). Licenciada em Pedagogia pela Universidade Anhembi-Morumbi (UAM). Especialista em Tecnologias na Aprendizagem (SENAC-SP). Produtora Audiovisual pela LIGHTRAY Multimedia. Gerente de Projetos pela KIDLAB Education & Research. Professora de Educação Infantil ao Ensino Superior e de Ensino de idiomas (espanhol e inglês).

Referências

Bransford, J. D. (2007). Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência e escola. Editora Senac São Paulo. 381p.

Brasil. Ministério da Educação. (1999). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (DCNEI). Resolução CNE/CEB 5/2009. Brasília: DOU 18.12.2009.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. (2012). Brinquedos e brincadeiras de creches: manual de orientação pedagógica. Brasília: MEC/SEB. 158p.

Brasil. (2016). Lei 12.796/16. Marco Legal da Primeira Infância. Brasil: DOU 09.03.2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm. Acesso em: 06 .02. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEF. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 31.12. 2020

Bacci, D. L. C. (2009). A contribuição do conhecimento geológico para a Educação Ambiental. Pesquisa em Debate, Edição 11, 6(2), 1-24

Bruner, J. (2002). Acción, Pensamiento y Lenguaje. 6 ed. Madrid: Alianza Editorial. 232p.

Devlin, K. (2010). The mathematical brain. In: Souza, D. A. (Org.). (2010). Mind, brain, and education: neuroscience implications for the classroom. Bloomington: Solution Tree Press. p. 163-178.

Dodick, J., Orion, N. (2003). Cognitive factors affecting student understanding of geologic time. Journal of Research in Science Teaching: The Official Journal of the National Association for Research in Science Teaching, 40(4), 415-442. doi: 10.1002/tea.10083.

Ernesto, M., Cordani, U. G., Carneiro, C. D. R., Dias, M. A. F., Mendonça, C. A., & Braga, E. D. S. (2018). Perspectivas do ensino de Geociências. Estudos Avançados, 32(94), 331-343. doi: 10.1590/s0103-40142018.3294.0021.

King-Sears, M. (2009). Universal design for learning: Technology and pedagogy. Learning Disability Quarterly, 32(4), 199-201. doi: 10.2307/27740372.

Montessori, M. (1964). Dr. Montessori’s Own Handbook. Massachusetts: Robert Bentley, Inc. 121p.

Nunes, C., & Madureira, I. (2015). Desenho Universal para a Aprendizagem: Construindo práticas pedagógicas inclusivas. Da investigação às práticas, 5(2), 126-143. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.21/5211.

Oliveira, L. A. S., Bacci, D. D. L. C., Soares, D. B., & Silva, D. F. da (2011). O ensino de Geociências e a formação de professores: experiências de um processo de aprendizagem. Anais VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 1-14, Disponível em: http://repositorio.usp.br/directbitstream/0ab45483-7230-45a6-bdfe-4005ff45c634/2928958.pdf. Acesso em: 03.12. 2020.

Orion, N. (2001). A educação em Ciências da Terra: da teoria à prática-implementação de novas estratégias de ensino em diferentes ambientes de aprendizagem. In: Marques, L, Praia, J. (Coords.). (2001). Geociências nos currículos básico e secundário. Aveiro: Universidade. p. 93-114.

Passos, A. P. D. (2019). Integração de variáveis motoras, cognitivas, nutricionais, metabólicas e de influência epigenética relativas à Primeira Infância como uma ferramenta para investigação do Desenvolvimento Infantil. São Paulo: Inst. Biociências. USP. 450p. (Tese Doutorado). doi: 10.11606/T.41.2019.tde-27082019-092331.

Phillips, D. A., & Shonkoff, J. P. (2000). From neurons to neighborhoods: The science of early childhood development. Washingoton D.C.: The National Academies Press. 612p, doi: 10.17226/9824.

Piaget, J. (1960). Psychology of intelligence. New Jersey: Littlefield, Adams & Co. 182p.

Press, F., Siever, R., Grotzinger, J., & Jordam, T.H. (2006). Para entender a Terra. Porto Alegre: Bookman. 652p.

Restrepo, N. R. (2018). Diseño universal en la educación infantil. Reflexiones frente a su implementación e implicación para el proceso de enseñanza-aprendizaje. Revista Senderos Pedagógicos, 9(9), 39-56.

Santos, V. S., Machado, A. C. F., & Rizzatti, I. M. (2019). A importância da experimentação no ensino de ciências para o entendimento do ciclo da água: uma proposta para a educação infantil. ACTIO: Docência em Ciências, 4(3), 131-145. doi: 10.3895/actio.v4n3.10416.

Silva, D. G. (2018). O ensino de Geociências no contraturno escolar decifrando a terra: possibilidades e desafios para inserção das Geociências na escola. Campinas: Inst. Geoc. Unicamp. (Dissertação de Mestrado). Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/333213#:~:text=http%3A//repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/333213.

Wallon, H. (1989). As Origens do Pensamento na Criança. São Paulo: Ed. Manole. 527p.

Willis, J. (2010). The current impact of neuroscience on teaching and learning. In: Souza, D. A. (Org.). (2010). Mind, brain and education: Neuroscience implications for the classroom. Bloomington: Solution Tree Press. 45-68p.

Publicado

2021-09-30

Como Citar

GONÇALVES, L. H. M.; GRAMA, Édino de A.; PASSOS, A. P. D. Atividades em geociências na educação infantil baseadas em desenho universal de aprendizagem como ferramenta para o desenvolvimento da criança. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021029, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8664913. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8664913. Acesso em: 28 nov. 2021.